E-mail de contato

contato@sagapolicial.com

Redes sociais

Concurseiros presos por rateio de material

11/12/2017 – Saga Policial

A Polícia Civil do Paraná, por meio da Delegacia de Crimes Contra a Economia e Proteção ao Consumidor, deflagrou nesta segunda-feira a operação “Capitão Gancho 3D”, que prendeu quatro suspeitos que comercializavam de forma ilegal materiais de concursos públicos e videoaulas de instituições educacionais sem nenhuma autorização.

De acordo com a Polícia Civil, o grupo roubava videoaulas e apostilas de sites e professores especializados em concursos e revendia pelos sites concurseirosunidos.com e concurseirosunidos.org. O grupo operava há mais de três anos de forma similar a uma empresa lícita, com tarefas divididas e comercialização de materiais para todo o Brasil.

Dos quatro suspeitos, três são mulheres e residiam em Curitiba-PR. Uma quarta pessoa, marido da suspeita, homem de 31 anos, foi preso em flagrante por porte ilegal de arma e munição. “Iniciamos as diligências e após um trabalho constante de inteligência e campo, conseguimos chegar até os suspeitos e solicitar à Justiça suas prisões”, relata o delegado-titular da Delcon, Wallace de Oliveira Brito.

Na operação, foram apreendidos computadores e documentos. A justiça bloqueou cerca de R$ 7 milhões obtidos pelo grupo com o esquema e os suspeitos ainda serão investigados por lavagem de dinheiro.

Os suspeitos vinham agindo há mais de três anos e atuavam de forma organizada com divisões de tarefas, semelhante a uma estrutura empresarial lícita, comercializando os materiais educacionais via internet por todo o país. A base da organização criminosa funcionava em dois locais, na rua Ludovico Geronasso e na rua Pasteur, Curitiba-PR.

No curso das investigações a Delegacia solicitou à Justiça um afastamento do sigilo bancário, bem como o bloqueio de bens e valores dos investigados. Uma possível lavagem de dinheiro foi constatada, já que os valores adquiridos pela associação criminosa eram distribuídos para dois estabelecimentos comerciais de Curitiba (uma clinica de estética e uma casa de jogos).

O que diz a Lei de Direitos Autorais

A prática do rateio de materiais de estudo pela internet é muito popular entre os concurseiros. Enquanto há pequenos grupos de duas ou três pessoas que compram um material e o compartilham entre si, há também grupos especializados em adquirir material e revendê-lo de forma ilegal.

O conteúdo de livros, apostilas e videaulas são protegidos pela Lei de Direitos Autorais. Atualmente, a Lei 9.610/98 regula os direitos morais e patrimoniais sobre a obra autoral que se referem à asseguração de autoria da obra e determinam a sua utilização econômica.

O Capítulo III da Lei 9.610/98 estipula que os direitos patrimoniais de uma obra podem ser transferidos ou cedidos a outras pessoas caso seja da vontade do autor, o que não acontece com os direitos morais. Cabe ao autor a decisão sobre a reprodução parcial ou integral, a edição, a tradução e a distribuição do material.

Os direitos patrimoniais impedem que uma obra seja utilizada comercialmente sem autorização do autor, sob pena de geração de processo judicial. O Artigo 37 da Lei de Direitos Autorais é claro no sentido de que “a aquisição do original de uma obra, ou de exemplar, não confere ao adquirente qualquer dos direitos patrimoniais do autor, salvo convenção em contrário entre as partes e os casos previstos” pela lei. Os direitos patrimoniais do autor perduram por 70 anos, depois desse prazo a obra é considerada pública. O registro da obra não é obrigatório por parte do autor, no entanto ele serve como prova de autoria em casos de possíveis disputas na justiça.

Fonte: Saga Policial, com informações da assessoria de imprensa da Polícia Civil-PR.

Compartilhar nas Redes

3 respostas para “Concurseiros presos por rateio de material”

  1. erica disse:

    o curso preparatorio faz copia de autores, faz um resumo , vende aquilo por um preço exorbitante. Sabendo eles, que na maioria também foram ja concurseiros , e tem consciência da real situação da maior parte dos estudantes.Isso pode então!!! Esse mundo dos concursos e coachs ta virando uma fabrica de dinheiro, que lamentavel! Vergonha morar nesse país!! affff

  2. oswaldo disse:

    o sites que vendem cursos pra concursos usam ctrl C e crtl V e vendem a 100,00, 150,00, 200,00 os cursos deveriam ser mais acessiveis…o pacote de cursos custa 1800 reais isso é estelionato…um curso deveria custar no maximo 30,00 ou 40,00 mas eles cobram 200,00 por materia…assim como pra tirar cnh, veiculos, eletronicos, todo preço no brasil é jogado la pra cima se colar colou. pirataria é crime, porem se fosse mais barato ngm pirateava. o que precisa é de concorrencia…virou um cartel o negocio de cursos pra concursos todos sites praticam o mesmo preco diferença minima entre eles.

  3. Daniele disse:

    Um absurdo isso… Pirataria é crime. Mas posso apostar que muitos dos que passaram ou até mesmo dos que estavam por trás da investigação, já compraram material pirateado ou xérox de livros. Se as empresas diminuissem o valor, garanto que ficaria mais difícil a pirataria. Estelionato tbm é crime. Às vezes a pirataria é o único ganha pão de algumas pessoas. Não estou condenado e nem defendendo a pirataria, mas estou tentando mostrar que existem coisas mais importantes a se fazer nesse país. Vão investigar políticos e tráficos de drogas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

48
missao pf lateral 15% desconto
69
missao abin lateral novo 10
70
300x250_estrategia
71
perito-federal-300x250
72
prf-300x250 (1)
317
300x250rxrfb
Gostaria de anunciar ou apoiar o site

Parceiros

Gostaria de anunciar no nosso site, fazer uma parceria ou apoio? Saiba mais informações entrando em contato conosco através dos nossos canais de comunicação.

Entre em contato

O Saga Policial

O Saga Policial nasceu em maio de 2008 e se orgulha de ajudar milhares de candidatos nos concursos públicos da área policial por todo o Brasil, além de contribuir na luta diária por uma segurança pública melhor para todos nós.